Pilates na melhoria da flexibilidade

PILATES E QUALIDADE DE VIDA

Por muitos anos, médicos, principalmente ortopedistas, indicavam a prática de exercícios físicos na água nos casos de patologias como a artrose, osteoporose e dor lombar, por acreditarem em sua eficácia na redução de impacto. Através de relatos do cotidiano podemos perceber mudanças nestas indicações.

Pilates de solo
Foto: A buen entendedor/flickr.com

No presente momento a procura pela prática do Método Pilates vem crescendo a cada dia, pois tem-se observado uma grande melhoria nestas patologias que se agravam a cada dia em nossa sociedade.

Vem surgindo a todo o momento estudos que comprovam a eficácia de uso do Pilates com o intuito de justificar suas melhorias.

Estudo mostrou que em mulheres portadoras de câncer de mama, a prática de Pilates três vezes por semana durante oito semanas, melhorou a capacidade funcional, a fadiga, a depressão e a qualidade de vida. Sendo assim, podemos aceitar a eficácia desta prática de atividade física, mas devemos buscar mais evidências destas melhorias.

Síndrome do piriforme

Dor de ciático
Foto: quiropraxiaclinica/flickr.com

É uma manifestação de dor que acontece quando o nervo ciático está sendo comprimido. O tratamento desta síndrome pode ser realizado de várias maneiras. Pode ser feito através do uso de medicamentos como por exemplos a toxina botulínica, bastante usada em tratamentos estéticos. Algumas outras formas de tratamento são através de exercício físico, alongamento e mobilidade articular da região do quadril, sendo assim, o Método Pilates agrega grande valor nestas outras formas de tratamento por estar englobado nas três vertentes.

 Flexibilidade

A prática de Pilates está diretamente ligada com o aumento da flexibilidade em pessoas saudáveis. Pesquisas mostram que há melhora na flexibilidade em indivíduos que praticam Pilates em nível básico. Neste, foram acompanhados 32 indivíduos com treinos de uma hora por semana em um período de 6 meses.

Pilates na melhoria da flexibilidade
Foto: Vê Carvalho/flickr.com

O aumento da flexibilidade está diretamente ligado à melhora da qualidade de vida e bem estar, mas para que haja essa melhora significativa, a prática da atividade física tem que ser orientada por um profissional habilitado para evitar o risco de lesões.

Coluna vertebral

Pilates na redução de dor da coluna
Foto: ullyflores/flickr.com

Estudos apontam que o Método Pilates, quando utilizado com base em seus fundamentos, auxilia diretamente na reabilitação, aumentando não só a força muscular na pós-reabilitação, mas também na correção da postura corporal, tendo um grande foco de melhoria de lombalgias. Sendo esses benefícios identificados independente de idade.

Em um estudo realizado com universitárias que apresentavam dor crônica na coluna por causa de escoliose não estrutural, onde foram submetidas a 24 sessões de Pilates, duas vezes por semana com duração de 60 (sessenta) minutos por sessão, demonstrou redução significativa no quadro de dor crônica.

           

Com base nos estudos que pude acompanhar, verifiquei que o trabalho com o Método Pilates na melhoria da qualidade de vida tanto em indivíduos saudáveis quanto em pessoas com dores crônicas e sem flexibilidade corporal, ajuda na busca de bons resultados para a melhoria da saúde. Mas esteja sempre amparado por um bom profissional.

Então, gostou de nosso artigo? Aproveite e deixe seu email na barra lateral a direita, será um prazer enviar-lhe novos posts sobre saúde e qualidade de vida.

Fabio LamegoFabio Lamego é professor de Educação Física com seis anos de experiência na área da saúde, tem seu enfoque nas atividades de melhoria da saúde como o Método Pilates. Gosta de atividades ao ar livre e curte viagem, praia e sol, ah, se for os três juntos é melhor ainda!

Deixe seu comentário...